Boletim Jurídico – Publicações OnLine

Boletim Jurídico – Publicações OnLine
Direito Administrativo / Notícias

Empresa de factoring não precisa de registro no Conselho Regional de Administração

Empresa que tem como atividade principal o fomento mercantil ou factoring está dispensada da fiscalização pelo Conselho Regional de Administração (CRA), conforme entendimento do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Dessa forma, a 7ª Turma do Tribunal Regional Federal da 1ª Região (TRF1) negou provimento a recurso movido pelo CRA de Minas Gerais contra sentença que desconstituiu título executivo originário da inadimplência de anuidades da empresa Coluna S/A Fomento Mercantil.

Em suas alegações recursais, o CRA/MG sustenta, em síntese, a obrigatoriedade da citada empresa em se registrar no Conselho, bem como de pagar as anuidades e multas impostas, pois exerce atividade típica da área de Administração ou de competência privativa do administrador.

No voto, o relator, juiz federal convocado Eduardo Morais da Rocha, explicou que o STJ e o próprio TRF1 vinham adotando o entendimento de que era obrigatória a inscrição das empresas de factoring e fomento mercantil no respectivo CRA. Contudo, em recente julgamento de Embargos de Divergência, o STJ passou a adotar o entendimento de que a atividade principal da empresa de fomento ou factoring dispensa a fiscalização da atividade profissional pelo CRA, por não caracterizar atividade de natureza administrativa.

Por essa razão, no entendimento do magistrado, “inexistente o vínculo jurídico-obrigacional entre a parte autora e o CRA, configura-se nulo, por falta de liquidez e certeza, o título executivo decorrente da autuação”.

A decisão foi unânime.

Processo nº: 0068311-09.2012.4.01.9199/MG
Data da decisão: 29/8/2017
Data da publicação: 08/09/2017

JC

FONTE: Assessoria de Comunicação Social

Tribunal Regional Federal da 1ª Região

Tags: TRF1

Vantagens Publicações Online

Siga nosso twitter Acesse nosso facebook Fale Conosco